Descobrindo o Bambu…

Março 21, 2010 at 10:11 pm 2 comentários

Desde a infância que conheço essa planta, pois no interior do Rio Grande do Sul, as propriedades rurais normalmente possuem alguma touceira de bambu.

Porém, praticamente não há manejo e costuma ser sub-utilizado, pois sua utilização é basicamente para atividades muito simples como vara de pescar, vara para colher frutos em árvores ou segurar o varal de roupas etc.

Pautada nessa percepção de uso do bambu para finalidades tipo “quebra-galhos” eu desconhecia a enorme diversidade de espécies existentes e as infinitas possibilidades de uso do mesmo!

No ano passado, algumas experiências revolucionaram minha visão acerca do bambu. Uma delas foi assitir a uma palestra com Daniel Malaguti, apresentando suas pesquisas no Laboratório de Investigação em Living Design da PUC-Rio. Pude conhecer projetos maravilhosos utilizando o bambu em habitações e diversos exemplos de geodésicas, tema de seu mestrado (http://yvypora.wordpress.com/2009/09/15/geodesica-de-base-quadrada-o-caminho/#more-744). A palestra foi também a oportunidade para conhecer bambuzeiros como o Rodrigo Primavera(http://bambuessencial.wordpress.com/about/) um permacultor e bambuzeiro que reside em Florianópolis em uma casa que é uma verdadeira obra de arte.  A casa, mobilia, utensílios, enfim quase tudo em bambu!

Esses contatos foram mobilizadores, a partir disso minha visão sobre o bambu mudou completamente e compreendi o quanto essa planta é importante para a sustentabilidade.

Com o interesse aguçado, começaram minhas aprendizagens…

Touceira de Dendrocalamus Giganteus

Touceira de Dendrocalamus Giganteus

Em  Yvyporã conheci touceiras das espécies Dendrocalamos Giganteus e Guadua, plantados em torno de 6 anos atrás. Fiquei deslumbrada com a beleza dos bambus e com o diâmetro deles!

Também fiquei impressionada com minha ignorância acerca dessa planta.  O Jorge me passou diversas informações e tudo parecia “novo” para mim.

O bambu é uma gramínea, ou seja, mesma família da grama. Assim, é uma planta de crescimento muito fácil e rápido, necessitando em média de 3 a 6 meses para que um broto atinja sua altura máxima.

Os brotos já nascem com sua largura final. Conforme mencionei eu não prestava muita atenção para as touceiras de bambu que conhecia no RS. Assim, quando ocasionalmente as visitava eu costumava ver bambus finos e outros mais grossos, por isso achava que um bambu “engrossava” com o tempo. Porém, não é assim que funciona…descobri que as diferentes de largura são devido à maturidade da touceira. A cada nova geração de brotos o diâmetro deles vai aumentando, até atingirem o tamanho máximo (a partir do 7 ou 8 ano).

Ainda há muitas aprendizagens para compartilhar sobre o bambu e exatamente por serem muitas vou deixar para futuras postagens. Assim, finalizarei esta mensagem com uma citação do prefácio do Livro Bambu de Corpo e Alma (http://books.google.com/books?id=8UmDNAAACAAJ&dq=bambu+de+corpo+e+alma&hl=pt-BR&cd=1), elucidando as infinitas possibilidades de uso do bambu:

Um homem pode acomodar-se em uma casa de bambu sob um teto de bambu, em uma cadeira de bambu a uma mesa de bambu, com um chapéu de bambu em sua cabeça e sandálias de bambu em seus pés. Ele pode, ao mesmo tempo, ter em suas mãos uma tigela de bambu, e em outra mão pauzinhos de bambu, e comer brotos de bambu. Quando ele terminar sua refeição, que foi cozida em fogo de bambu, a mesa pode ser lavado com um tecido de bambu, e ele pode abanar-se a si próprio com um leque de bambu, tirar uma siesta em uma cama de bambu, deitado sobre uma esteira de bambu. Seu filho pode repousar num berço de bambu, brincando com um brinquedo de bambu. Ao levantar-se ele fumaria um cachimbo de bambu e, com uma caneta de bambu, escreveria em papel de bambu, ou transportaria suas coisas em uma cesta de bambu suspensa por uma vara de bambu, com um guarda-chuva de bambu sobre sua cabeça. Ele pode então fazer uma caminhada sobre uma ponte suspensa  de bambu, beber água de uma concha de bambu, e coçar-se com uma raspadeira de bambu.

(Retirado de GEIL, Willian Edgar. A Yankee on the Yangtze. London: Hodder and Stoughton, 1904. In Yangtze Patrol. Kemp Tolley. Annapolis: U.S. Naval Institute Press, 1971. P. 256)

Entry filed under: Permacultura. Tags: .

Práticas permaculturais na zona 1 Plantando e esperando…

2 comentários Add your own

  • 1. Gilmar  |  Novembro 17, 2010 às 7:45 am

    A melhor informação seria como plantar o bambu gigante. Ja tentei de varias maneiras e não obtive exito. Se alguem souber me informe por favor.

    Responder
    • 2. Carapeços Arriada Mônica  |  Dezembro 1, 2010 às 9:51 am

      Olá Gilmar,
      Na verdade ainda sei pouco sobre o manejo desse bambu e só lidei com a touceira já plantada…
      Mas pelo que ouvi dizer ele pega bem fácil. Porém, apenas em climas quentes e bastante umidade. Se você morar no RS ou outro local que faça frio realmente complica…
      Tenho um amigo que em breve lançará um livro sobre plantio e manejo de bambus. Assim, que sair postarei referência aqui, ok?
      Abraços

      Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Tópicos recentes

Arquivos


%d bloggers like this: